quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Respiração x Emoções: Pare, respire e conte até 10


Por Claudia Cosceli
A respiração faz parte do sistema nervoso autônomo, algo que fazemos de maneira natural e espontânea, uma atitude involuntária que nos foi dada desde o nascimento e vai nos acompanhar até o final de nossas vidas.

Todos já passamos por experiências nas quais nossa respiração teve um papel decisivo, provando que ela tem total relação com o nosso estado emocional e físico.

Para trabalharmos essas questões, não percebemos que podemos usar nossa respiração. Se tornarmos a respiração consciente, podemos aumentar nosso bem estar e nos ajudar a enfrentar os contratempos de nossas oscilações de humor e sentimentos, controlando, assim, nossas emoções.

O trabalho de treino e consciência da respiração é muito usado nas aulas de Yoga; essa técnica é chamada de Pranayama (“Pran” significa força da vida e “ayama” significa expansão), já que trabalha questões de domínio intenso sobre tudo que envolve o ar dentro do corpo, trabalhando o oxigênio a fim de, com ele, efetuar as transformações químicas necessárias para que o sangue possa distribuir “nutrição” a todas as células. É duplamente voluntário e involuntário; se quisermos, podemos acelerar, retardar, parar e recomeçar o ritmo respiratório. Tudo isso se dá mediante treino e muita concentração.

O trabalho realizado com as crianças tem fundamental importância, já que estimula essa atenção com a respiração desde pequenos, trabalhando aspectos de observação das emoções, observando em qual momento usar as técnicas de respiração aprendidas em aula. Assim, vão adquirindo uma maturidade apurada do próprio corpo que se desenvolve ao longo da puberdade e da vida adulta.

Sabemos que a respiração está ligada diretamente às nossas emoções; percebemos que quando ficamos nervosos e ansiosos o primeiro sintoma é a da respiração ofegante e rápida. 

O treino constante nos ajuda até mesmo a perceber quando iniciamos um processo de alteração emocional, gerando, assim, uma percepção do evidente caos que a ansiedade causa e desencadeando uma respiração quase imediatamente após o início do problema.


A respiração correta é a nasal


O nariz é um filtro contra poeiras. Graças à ação bactericida de seu muco, ele nos livra de insidiosos invasores. É também um radiador natural que aquece o ar frio do inverno, antes de chegar aos pulmões.

Os inconvenientes da respiração bucal são de dupla natureza: físicos e prânicos. 

Os de ordem física começam com a insuficiente alimentação de ar nos pulmões. Os que respiram pela boca são permanentemente martirizados por uma asfixia parcial, além de serem mais sujeitos às infecções por germes do ar. 

A dificuldade de respirar pelo nariz começa quase sempre na infância, e é quando, por tal motivo, se forma o hábito de respirar pela boca.

Em uma pessoa sadia, a respiração se faz mais fortemente por uma narina do que pela outra, variando o lado de duas em duas horas. Durante duas horas, a narina direita funciona mais fracamente do que a esquerda, depois de duas horas, muda e então é a esquerda que mais trabalha. As pessoas que sofrem de nariz entupido de um dos lados gozam menos saúde do que os que respiram normalmente. Por isso deveriam aprender a conservar funcionando bem ambas as narinas.

Agora que expusemos o ônus de uma respiração defeituosa, estamos na obrigação de indicar técnicas yogues que a possam corrigir e curar.


Dicas para desentupir as narinas em casa:

1- Para desobstruir uma das narinas, coloque na axila, do lado oposto, um volume como o de um livro, ou o punho fechado. Dentro de minutos, o desentupimento se dará. É só ter um pouco de paciência. Logo que obtiver o que deseja, desfaça a pressão, se não, vai entupir a narina do mesmo lado. Se estiver na cama, é suficiente deitar-se sobre o lado desobstruído, para em poucos instantes livrar a narina que estava entupida. 

2-  A lavagem do nariz ou Jala-Net consiste em, através de um bule específico chamado Lota, fazer entrar água morna com sal por uma narina a sair pela outra, provocando a lavagem das narinas. A água deve ser fervida, com uma solução de 7% de sal de cozinha (melhor o sal bruto) e em temperatura tépida. Observe o posicionamento correto da cabeça, para que a água não vá para a garganta, mantenha a boca aberta e nesse caso a respiração é pela boca. (Contra indicado em casos de sinusite aguda).

3- Respiração do sopro rápido, consiste em soltar o ar por ambas as narinas de maneira rápida e rigorosa (como se fosse um espirro); quando expulsar o ar, pressione o abdômen. Dessa forma provocamos uma limpeza intensa nas narinas; dê preferência para a sua execução no vapor do banho (se possível, colocar 3 gotas de óleo essencial de eucalipto no chão do box). 


Vantagens da respiração consciente

O pranayama é, portanto, a maneira mais rápida de nos trazer de volta para o momento presente, normalizando as condições de calma e tranquilidade do nosso corpo físico. Mas, para além dos efeitos mais evidentes da respiração lenta e consciente, existem muitos outros benefícios a serem considerados, dentre eles, os de que a respiração consciente:

• Estimula o cérebro através da liberação de elementos químicos conhecidos como endorfinas, que combatem a depressão;
• ativa a glândula pituitária, à qual são atribuídos os elementos da intuição;
• reduz toxinas nos pulmões;
• promove a limpeza do sangue;
• energiza e aumenta a vitalidade;
• regula o equilíbrio do pH, o que contribui com o controle do stress.

 

 
Em resumo – respirar bem nos ajuda a ser uma pessoa mais relaxada e saudável.

Fontes:

2 comentários:

  1. Gostei muito desse artigo sobre respiração; na pressa em que vivemos, esquecemos muitas vezes de perceber a nós mesmos.
    Apenas um apontamento: acho que na primeira linha do terceiro parágrafo, é "nós percebemos" e não "não percebemos"; não é isso?
    Abraços

    ResponderExcluir